queijunto e preso

e eu que sou funcionária pública maio 24, 2009

Filed under: Uncategorized — julianay @ 4:46 pm

a explicação para um blog sem atualizações ter leituras diárias.
e esse aqui, que sem divulgação, nem tags ter leitores.
é que tem um bando de malditos lendo isso aqui.
alimentando-se da vida alheia.

Anúncios
 

da série historinhas: não brinque com faca

Filed under: contos de queijunto e preso — tijolooo @ 4:43 pm

[1]

foi fazer um furo no fundo do pote.

perfurou a mão com uma faca de serrinha, correu para o ps jorrando sangue e sem acompanhante, perdeu parte da sensibilidade, fez cirurgia para recuperá-la, ficou imobilizada, usou tipóia, teve quelóide, precisou de uma to.

[2]

não aprendeu.

ainda achou que era seguro.

então segurou o gargalo da garrafa com a mão esquerda e embicou a faca de serrinha com a outra mão.

“você vai se machucar!”

ia retrucar, mas não teve tempo.

perfurou a mão…

 

lendo e relendo

Filed under: orgulho canceriano,sem filtro — tijolooo @ 4:07 pm

[…]

Está fazendo um dia de sol. A praia estava cheia de vento bom e de uma liberdade. E eu estava só. Sem precisar de ninguém. É difícil porque preciso repartir contigo o que sinto. O mar calmo. Mas à espreita e em suspeita. Como se tal calma não pudesse durar. Algo está sempre por acontecer. O imprevisto improvisado e fatal me fascina.

[clarice em água viva]

a cada leitura uma nova leitura.

 

eco maio 22, 2009

Filed under: desabafo,orgulho canceriano,querido diário,Uncategorized — julianay @ 7:42 am

o que não sai da minha cabeça é:
como ele teve coragem de fazer isso comigo?

que frieza do caralho.

 

sem neurônios

Filed under: desabafo,querido diário,sem filtro — julianay @ 7:34 am

– vc é inteligente.
– não. vc que fumou maconha demais.

 

fechando ciclo [2] maio 21, 2009

Filed under: sente e vive intensamente — a.cartolina @ 4:24 pm

com medo de transformar o seu recomeço em um fim entristecido,

transformei-o num encontro ausente da minha alma. ao contrário do que sempre foi.

” O horrível dever é de ir até o fim. E sem contar com ninguém. Viver-se a si mesma. E para sofrer menos embotar-me um pouco. Porque não posso mais carregar as dores do mundo. Que fazer quando sinto totalmente o que as outras pessoas são e sentem? Vivo-as mas não tenho mais força. Não quero contar nem a mim mesma certas coisas. “

água viva – clarice lispector

e chego numa conclusão dolorosa:

sim, eu estou sangrando.

 

sobre… alguma coisa maio 17, 2009

Filed under: orgulho canceriano,querido diário,vivendo o agora — tijolooo @ 2:35 am

.

.

.

 

talvez o que me encante nas pessoas seja justamente o fato de cada um ter seu próprio repertório.

compartilhar torna real a felicidade segundo o admirável chris (into the wild).

compartilhar…

… também pode ajudar a dividir uma tristeza.

… ou pode ajudar a enxergar os fatos de uma maneira diversa.

e admito que, mesmo sustentando meu discurso de independência, triste daquele que não tem com quem compartilhar.

mas tem que valer a pena!

porque pode ser muito fácil mostrar o que eu tenho de melhor.

difícil mesmo é expor os defeitos.

mas os defeitos tornam a pessoa real.

e no final das contas isso é muito importante pra mim.

contos de fadas não existem e eu não quero uma verdade inventada.

 

ouvindo: eddie vedder – guaranteed

on bended knee is no way to be free
lifting up an empty cup I ask silently
that all my destinations will accept the one that’s me
so I can breath