queijunto e preso

Utah, 1975 agosto 6, 2009

Filed under: listas — renatcheeenhooo @ 4:12 pm
Tags:

Meu amigo D. conta que, quando a guerra do Vietnã estava a caminho do fim, seu filho disse que queria comemorar o dia em que a guerra acabasse. “Como?”, perguntou D. “Quero tocar a buzina de seu carro”, respondeu o menino.

Quando a guerra acabou, os americanos não deram muita importância. Não houve desfiles. Não houve banda de música, somente poucas demonstrações externas de contentamento. Exceto numa área suburbana de Salt Lake City, onde um menino de 9 anos obteve a permissão para apertar a buzina do carro de seu pai até acabar com a bateria.

Steve Hale
Salt Lake City, Utah

esse é só um dos contos do livro Achei que meu pai fosse Deus e outras histórias verdadeiras da vida americana, de Paul Auster

esse livro, como diz a juuuu (luv U) MEREEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEECE

Anúncios
 

no brás… julho 1, 2009

Filed under: Uncategorized — renatcheeenhooo @ 12:49 pm
Tags: ,

como no meu relógio ainda eram 8:57 e eu sempre me esqueço que no resto do mundo é sempre alguns minutos pra frente resolvi tomar um café com leite e pão na chapa na mesma padaria de sempre, simples e pequena, sem aqueles cartões eletrônicos mas com as mesmas e simpáticas pessoas cheias de histórias pra contar logo cedo. Estavam o casal de donos da padaria e o português que sempre tomava café neste memso horário conversando sobre o carro do dono, estacionado bem à frente da padaria, novinho… um Renault Logan ( quando fazia faculdade um professor de desktop publish havia com bastante entusiasmo explicado como a Renault fez para criar o design do Renault Kangoo dizendo que os “designers” atearam fogo e apagaram com pauladas e assim nasceu o revolucionário design do Renault Kangoo, eu me pergunto de que forma esses gênios conceberam o design do Renault Logan) e diziam que o carro em 6 meses poucas vezes saiu da garagem, e em um momento a dona disse “ele ainda está procurando vaga já teria descarregado metade das 50 sacas de farinha” o entregador de farinha de trigo já tinha dado algumas voltas no quarteirão e  não encontrava vagas e acabei percebendo que é isso que eu realmente não gosto. eu posso dirigir um dia inteiro, pegar todo o trânsito do  mundo, mas se tiver que ficar meia hora procurando uma vaga o stress aparece.  me fez pensar no onibus fretado que eu vi ontem a noite com uma faixa “este ônibus tira das ruas 20 carros, não acabe com os fretados” o que a prefeitura e o governo querem? antecipar o caos?